De olho no coração!!

5 anos atrás

De olho no coração!!

 

Você já ouviu milhares de vezes que o exercício físico faz bem pra saúde, reduz o colesterol, aumenta a expectativa de vida e melhora o humor…etc

Porém, algumas pessoas focadas em melhorar o rendimento, em emagrecer, em vencer provas, acabam exagerando, treinando por conta própria e se esquecem de monitorar um órgão importantíssimo no esporte: o coração.

 

Como anda o seu?

Você faz check-up todo ano?

Ou você é daqueles que só procura o médico quando a coisa fica feia?

 

No último fim de semana, durante o Circuito Mundial, um atleta passou mal e morreu, infelizmente. A ambulância prestou socorro. O corredor que pretendia cruzar a linha de chegada, acabou se despedindo dos amigos, da família, da vida. Uma parada cardíaca parou a corrida!

 

Eu não conhecia a vítima. Não sabia se tinha ou não problemas de saúde, de coração… ou se era acompanhado por alguma assessoria esportiva ou se treinava por conta própria. O que sei é que essa morte acende, de novo, um alerta pra todos nós.

 

Parada Cardíaca nos corredores

 

As causas detectadas foram, na maioria, a perigosa miocardiopatia hipertrófica obstrutiva (genética) muitas vezes erroneamente confundida com o coração de atleta. Em segundo lugar, está a origem anômala de coronária (congênita).

Ambas podendo ser diagnosticadas num exame de rotina de avaliação pré-participação, competente para diferenciar coração normal de doente. Por fim, principalmente quando a corrida é realizada num clima muito quente (acima de 32 graus) a causa foi a hipertermia (onde a temperatura corporal atinge mais de 42 graus), a desidratação isolada (severa perda de água) e  a hiponatremia (perda importante de sódio).

Para completar as causas de morte súbita, as ocorridas em corações normais onde os corações são atingidos pelo uso de anabolizantes sem necessidade médica, pelos energéticos, comercializados livremente, porém ingeridos em quantidade anormalmente elevadas, e pior se associados às bebidas alcoólicas destiladas.

Os estimulantes, que na sua maioria são de venda proibida no Brasil, em qualquer quantidade chegam a provocar graves arritmias cardíacas, e assim tem grande potencial de provocar uma parada cardíaca.

Finalizando, a conhecida recomendação de se fazer uma avaliação médica competente, saber parar se surgirem sintomas de algo anormal durante uma corrida ou outra atividade esportiva e nunca usar substâncias proibidas, são as únicas maneiras de se evitar uma parada cardíaca, que se não for recuperada em três minutos, se seguirá inexoravelmente a morte súbita.

 

A PARADA CARDÍACA pode PARAR você !!!

 

Quem pratica atividade física regularmente não está 100% blindado de problemas cardíacos. Algumas doenças, inclusive, podem até manifestar sintomas durante o exercício. Por isso, ao treinar você deve estar sempre atento à presença de qualquer sinal de alerta. Certos desconfortos nunca devem ser minimizados, desprezados ou considerados normais. A seguir, listamos quatro problemas durante o exercício que podem indicar problemas cardíacos. Se notá-los, é importante buscar ajuda de um especialista. Ele irá fazer o correto diagnóstico e orientá-lo sobre o tratamento adequado. Espia só! 👇🏻👇🏻

 

Sintomas 

 

Dor no peito:

O desconforto merece atenção especial quando surgir ou aumentar durante o esforço físico. A dor torácica pode ser de origem muscular. Porém, diversas doenças cardíacas graves costumam ter o incômodo como principal sintoma. Somente o médico saberá a real causa do problema e se você pode ou não continuar a atividade física.

 

Síncope:

Também chamada de desmaio, é a perda transitória da consciência. Geralmente, acontece subitamente, tem curta duração e recuperação espontânea. Qualquer atleta que sofrer um desmaio ou tiver a sensação de que vai “apagar” durante o treino deve interromper o exercício imediatamente e relatar o problema a seu médico ou ao treinador. A maioria das síncopes acontece quando as pessoas ficam muito tempo em pé, estão em ambientes quentes e sem ventilação ou passam por situação de grande estresse.

 

Palpitações:

Podem ocorrer em função de diversos tipos de arritmias. Uma causa muito corriqueira e benigna de palpitação é a extrassístole, um batimento antes do tempo habitual do átrio ou do ventrículo, que pode causar sensação desconfortável. O sintoma tende a piorar em momentos de estresse e ansiedade. Porém, na maioria das vezes, não há necessidade de tratamento ou recomendações especiais para a prática de exercícios físicos. Entretanto, a palpitação é considerada um sinal de alerta, pois talvez seja a única manifestação de doenças cardíacas graves que aumentam o risco de morte súbita.

 

Falta de ar: 

Costuma passar batida pelos corredores, que associam o problema ao mau condicionamento, condições climáticas desfavoráveis ou resultante de um treino puxado. Normalmente, quando a falta de ar é desproporcional ao esforço da atividade física, vem acompanhada de chiado no peito, febre, inchaço nas pernas, dor no peito ou palpitações. As possíveis causas de falta de ar são: asma, doença pulmonar obstrutiva crônica, cardiomiopatia hipertrófica, cardiomiopatia dilatada, angina, infarto, arritmias entre outros. Tome cuidado!

 

Procure ajuda, faça exames anuais: teste ergométrico, ergoespirometria pra saber o nível de oxigênio, eletrocardiograma e os de rotina de sangue e urina. Prevenir  e exercício físico sempre são os melhores remédios!

 

Fontes: Eu Atleta; Educação Física, Hospital Albert Einstein, Incor-BR.

Virgínia Nalon (é jornalista da TV Record, triatleta, mãe do Seven e filha do Deus vivo!)